Francisco de Goya

Francisco de Goya – pintor

Francisco José de Goya y Lucientes, é um dos três maiores mestres da pintura espanhola, ora conhecido como “Goya, o Turbulento”; ou “o Shakespeare do pincel”. Nasceu em Fuentedetodos, Aragão, Espanha, em 30 de Março de 1746, e veio a falecer em Bordéus, na França, em 16 de abril de 1828. Filho de Gracia y Lucientes Salvador e José Benite de Goya y Franque, conhecido em sua cidade pela sua profissão de dourador na cidade de Fuentedetodos, município de Saragoça. Iniciou-se no campo da pintura com 14 anos, na condição de aprendiz do pintor Don José Luzan y Martinez. Depois se transferiu para Madrid para estudar com outro mestre da pintura: Anton Raphael Mengs.

A doença: sua surdez é atribuída a uma doença desconhecida, que contraiu durante uma viagem que fez a Andaluzia, em 1792, que lhe deixou temporariamente paralítico, parcialmente cego e totalmente surdo. Viagem, aliás, que não havia sido autorizada pela Corte, para a qual trabalhava. Aos poucos sua vida mudaria. Goya deixou-se abater por uma tristeza profunda refletida em suas pinturas, onde as cores perderam suas clarezas, adquirindo um estilo mais livre e fortemente expressivo, o que não agradou em nada aos críticos e aos soberanos da época.

Parcialmente recuperado, retornou a Madrid em 1793 e continuou a trabalhar como artista da Corte, mudando, porém, seus estilos de pintura. Seus últimos anos de vida passou pintando as paredes de sua Quinta Del Sordo, onde não retratava conflitos internos da Espanha durante o reinado de Fernando VII, mas sim a degradação de sua saúde física e mental. Morreu em 16 de abril de 1828 em Bordéus, França.

Dê-me um pedaço de carvão e lhe farei um quadro, pois tudo na arte vem do sacrifício e da determinação.
Francisco de Goya