Emmanuelle Laborit

Emmanuelle Laborit – atriz francesa

Nasceu em 18 de outubro de 1971. É neta do cientista Henri Laborit. Nasceu surda e veio a conhecer a língua gestual (Langue des Signes Française - LSF, em português Língua Gestual Francesa), quando tinha 7 anos de idade. Rapidamente ensinou a sua irmã, que se tornou sua confidente, pois antes apenas se comunicava com sua mãe. Algo muito interessante que os especialistas definem como uma “comunicação umbilical” (algo de mãe e filho, talvez).

É autora de uma conhecida obra literária: “O Grito da Gaivota”, que escreveu em 1993. Nessa obra, Emmanuelle faz uma retrospectiva de sua vida, revivendo suas lembranças de infância e suas amargas experiências de uma difícil adolescência, avançando em sua idade adulta. É uma autobiografia. Emmanuelle explica que suas recordações da primeira infância são estranhas, pois existia “um caos na minha cabeça, uma sequência de imagens sem relação entre si, como sequências de um filme, montadas umas atrás das outras, com longas tiras negras, grandes espaços vazios” (Laborit). Este fato resulta da ausência de uma linguagem estruturada que dê sentido ao que se vê e que permita a evocação da imagem, mesmo quando ela não está presente.

Em 1993 conquistou o prêmio “Molière” de revelação teatral. Ela foi a primeira comediante surda a receber na França o referido reconhecimento.

Sou surda, não quer dizer: “Não ouço". Quer dizer: “Compreendi que sou surda.” É uma frase positiva e determinante. Na minha mente, admito que sou surda, compreendo-o, analiso-o, porque me deram uma língua que me permite fazê-lo. Compreendo que os meus pais têm a sua própria língua, a sua maneira de comunicar e que eu tenho a minha. Pertenço a uma comunidade, tenho uma verdadeira identidade".Emmanuelle Laborit