Os 8 tipos de surdez

SURDEZ

A perda auditiva é muito comum, e pode afetar qualquer um a qualquer momento de sua vida. Se você, um conhecido ou parente, supõe que pode ter perda de audição, ou até mesmo foi diagnosticado recentemente, provavelmente tem um monte de dúvidas cercando suas mentes. Abaixo estão algumas informações básicas para auxiliá-lo a entender melhor os vários tipos e graus de perda auditiva.


1 - Perda auditiva relacionada à idade


Perda auditiva relacionada à idade

A perda auditiva relacionada à idade é uma diminuição na capacidade auditiva que acontece quando os anos vão avançando. Na maioria dos casos, a perda auditiva afeta a ambas as orelhas. Pode começar tão cedo quanto os trinta ou quarenta anos de uma pessoa e piorar gradualmente ao longo dos anos seguintes.

A perda auditiva relacionada à idade afeta primeiramente a capacidade de ouvir sons de alta frequência, como a fala. As pessoas afetadas acham cada vez mais complicado de entender o que outras pessoas estão dizendo, especialmente quando há barulho de fundo (como em uma festa). No entanto, como a perda auditiva é gradual, muitas pessoas não percebem. Elas podem aumentar o volume da televisão ou começar a falar em tom alto sem estar ciente disso.

As causas da perda auditiva relacionada à idade são complexas. Esta condição resulta de uma combinação de fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida.

A perda auditiva relacionada à idade é mais comumente associada a alterações no ouvido interno, onde as ondas sonoras são convertidas em impulsos nervosos que são enviados para o cérebro. No entanto, ela também pode se associar a vias nervosas que transmitem informações sonoras no cérebro ou a alterações no tímpano ou nos pequenos ossos do ouvido médio. Na maioria dos casos, a causa exata dessas alterações é desconhecida.


2 - Perda auditiva induzida por ruídos (PAIR)


Perda auditiva induzida por ruídos

Todos os dias, o tempo todo, existem sons nos ambientes em que nos encontramos. Dentro de casa com um rádio, por exemplo, ou na rua, com o som do trânsito. Em geral, esses sons não são prejudiciais, pois se encontram dentro dos parâmetros de nivelação segura. No entanto, alguns sons, quando ouvidos muito alto e por um tempo longo, podem acabar danificando algumas estruturas mais sensíveis dos ouvidos internos, causando assim, a PAIR (Perda Auditiva Induzida Por Ruído).

Essa condição pode ser imediata ou levar anos para ser notada; permanente ou temporária; afetar um ouvido ou ambos. A exposição ao barulho prejudicial pode acontecer em qualquer idade, incluindo crianças, adolescentes, adultos e pessoas mais velhas.

A PAIR pode ser causada por uma exposição única a um som intenso de "impulso", como uma explosão, ou pela exposição contínua a sons altos durante muito tempo, como o som do maquinário de uma fábrica. O som é medido em unidades chamadas decibéis. Sons de menos de 75 decibéis, mesmo após longa exposição, provavelmente não causarão perda auditiva. No entanto, a exposição repetida ou prolongada a sons iguais ou superiores a 85 decibéis pode acarretar perda de audição.


3 - Perda auditiva causada por infecções


Perda auditiva causada por infecções

A perda auditiva pode ser causada por diversos fatores, incluindo envelhecimento, lesão, exposição ao ruído, infecção e hereditariedade. Esses fatores afetam o nervo auditivo, causando uma perda auditiva neurossensorial, o tipo mais comum de perda auditiva.

Mas você sabia que uma infecção no ouvido também pode causar perda auditiva? A perda auditiva causada por uma infecção no ouvido é denominada perda auditiva condutiva.

A infecção no ouvido médio pode causar a formação de fluido, obstruindo o movimento do tímpano e os minúsculos ossos ligados a ele.A perda auditiva condutiva afeta a orelha externa ou média, em vez do nervo auditivo, da mesma forma que a perda auditiva neurossensorial. O ouvido médio se move para enviar sons para o nervo auditivo. Qualquer obstrução pode impedir que os sons passem pelo ouvido médio e causem perda auditiva. Um acúmulo de cera, fluido no ouvido médio ou um orifício no tímpano também podem causar perda auditiva condutiva.

A perda auditiva causada por uma infecção no ouvido geralmente é temporária e desaparece após o tratamento. O médico pode optar por tratar a infecção do ouvido com antibióticos. Se os antibióticos tratam com sucesso a infecção, a audição deve voltar ao normal. Se existe um histórico de infecções auditivas recorrentes, o médico pode inserir um tubo no tímpano para ajudar a drenar o fluido.


4 - Perda auditiva causada por alterações na tireoide


Perda auditiva causada por alterações na tireóide

Tanto o hipertireoidismo quanto o hipotireoidismo foram relacionados à perda auditiva. Pesquisas ainda estão em andamento, mas sabe-se que as seguintes condições de tireoide afetam a perda auditiva, o zumbido e o equilíbrio:

  • Síndrome de Pendred: um distúrbio genético que causa perda auditiva precoce em crianças, também muitas vezes leva ao desenvolvimento de bócio (tireóide aumentada).
  • Doença de Graves: uma das causas conhecidas de hipertiroidismo.
  • Doença de Hashimoto, conhecida como causa comum de hipotireoidismo.

Por outro lado, o tratamento com radiação para câncer de tireoide também pode causar perda auditiva. Se você está passando por problemas de saúde sistêmicos, mas aparentemente aleatórios, converse com seu médico sobre a exclusão de doenças da tireoide. Garantir um suprimento saudável de hormônio tireoidiano em seu corpo contribuirá para o seu bem-estar geral, incluindo sua audição. E se um tratamento necessário colocar sua audição em risco, envolva um profissional de saúde auditiva em seu plano de tratamento que possa monitorar sua audição ao longo do caminho para minimizar os danos.


5 - Perda auditiva relacionada a medicamentos


Perda auditiva relacionada a medicamentos

Farmacêuticos devem alertar os pacientes para uma potencial perda auditiva associada a alguns medicamentos.

A perda auditiva está entre os efeitos colaterais menos comumente listados nos rótulos dos medicamentos, mas pode ser o mais angustiante para algumas pessoas. A perda auditiva potencialmente associada a esses medicamentos tende a se desenvolver rapidamente, com a gravidade variando desde o toque temporário até o comprometimento permanente.

A seguir, uma pequena listagem dos medicamentos que podem danificar a audição do paciente:

  • Aspirina – A perda auditiva temporária induzida por aspirina é normalmente associada com grandes doses, ou 8 a 12 comprimidos por dia.
  • Anti-inflamatórios não esteroides (como o ibuprofeno e o naproxeno) - Eles têm sido associados a problemas auditivos.
  • Antibióticos - Os pacientes que tomam aminoglicosídeos, a classe de antibióticos mais comumente usada em todo o mundo, correm o risco de 20% a 60% de chance de perder a audição permanentemente.
  • Medicamentos quimioterápicos - Certos medicamentos quimioterápicos, como cisplatina, carboplatina ou bleomicina, têm sido associados à perda auditiva.

6 - Perda auditiva causada por perfuração de tímpano


Perfuração no tímpano

Um tímpano rompido - ou perfuração da membrana timpânica, como é medicamente conhecido - é um orifício ou rasgo no tecido fino que separa o canal auditivo do ouvido médio (tímpano). Um tímpano rompido pode resultar em perda auditiva. Um tímpano rompido também pode tornar o ouvido médio vulnerável a infecções ou lesões, o que também causa perda auditiva. Um tímpano rompido geralmente cura dentro de algumas semanas sem tratamento. Às vezes, no entanto, um tímpano rompido requer um procedimento ou reparo cirúrgico para cicatrizar. Sinais e sintomas de um tímpano rompido podem incluir:

  • Dor de ouvido que pode diminuir rapidamente.
  • Drenagem clara, cheia de pus ou sangrenta do ouvido.
  • Perda de audição.
  • Zumbido.
  • Sensação de vertigem.
  • Náusea ou vômito que pode resultar de vertigem.

7 – Surdez congênita


Surdez congênita

Embora a surdez adquirida associada à idade ou à exposição ao ruído seja mais comum do que a surdez genética em cerca de duas ordens de magnitude, a surdez congênita ocorre em 1 em cada 1.000 a 2.000 nascimentos. A herança autossômica recessiva é a forma mais comum, representando mais de 75% de toda a surdez congênita. Anormalidades não hereditárias da orelha interna, como a malformação de Mondini, são responsáveis por aproximadamente 20% da surdez neurossensorial congênita. A maior parte da surdez (genética) restante é não-sindrômica, o que significa que ela não possui nenhuma característica distintiva óbvia.

A maioria das perdas auditivas não sindrômicas é causada por mutações no gene da conexina. Nos mamíferos, pelo menos 20 subtipos de conexinas foram identificados na genômica humana e de camundongos. Os genes da conexina codificam os canais de junções comunicantes, que conectam duas células adjacentes, permitindo a passagem de íons citoplasmáticos e pequenas moléculas de até 1,2 kDa. No ouvido interno de mamíferos, as conexinas 26 (Cx26) e Cx30 são as isoformas predominantes. A mutação Cx26 pode induzir uma alta incidência de perda auditiva, responsável por 70 a 80 por cento da perda auditiva não sindrômica em crianças.


8 - Perda auditiva transitória


Perda auditiva transitória

Às vezes, a perda auditiva é apenas temporária, muitas das razões pelas quais esse tipo de perda auditiva ocorre são devido a situações que podem ser rapidamente corrigidas. O que causa perda auditiva temporária: exposição ao ruído alto, infecções de ouvido podem causar perda auditiva temporária em crianças e adultos, som alto, etc.

Para funcionários que trabalham em locais de trabalho de alto nível de ruído ou para aqueles que gostam de passatempos ruidosos, proteger os ouvidos deve ser de suma importância.Mesmo pequenas quantidades de tempo gastas nesses tipos de ambientes podem levar à perda auditiva temporária.

Se a exposição ao ruído for pouco frequente, a audição pode recuperar. Mas, a exposição crônica ao ruído alto o suficiente para causar zumbido nos ouvidos pode levar à perda auditiva induzida por ruído permanente (PAIR). O mesmo vale para aquelas pessoas que ouvem seus fones de ouvido muito alto ou frequentemente assistem a concertos barulhentos. O zumbido nos ouvidos, geralmente resulta da alta exposição ao ruído.

Embora a produção de cera de ouvido seja um processo normal do corpo que protege o canal auditivo, há momentos em que a cera se torna impactada ou presa no canal auditivo. Esse bloqueio pode causar perda súbita da audição em uma ou ambas as orelhas, dificultando a capacidade das ondas sonoras de viajar através do canal auditivo até o tímpano. Quando o tímpano é incapaz de funcionar adequadamente, a audição pode ser afetada negativamente.